sexta-feira, 29 de julho de 2005

Dados perdidos

Nessa a Polícia dançou...

Depois uma semana "dando sopa", os computadores, portadores das melhores informações, sumiram. Sem arrombamentos, sem ninguém ter visto e bem na casa do 'menino'. Ainda teve alguém que disse, "não se preocupem, as informações estão todas no servidor". Ahahahahahh. Piada, né?

A estas alturas até a proteção de tela daquelas máquinas já mudou, estejam onde estiverem... Não preciso dizer onde foi o roubo nem o motivo, né? Para bom entendedor...

quarta-feira, 27 de julho de 2005

Bala Perdida

"Bala perdida atinge corpo de babá que estava sendo velado no Rio" (Folha Online)

A violência no Rio de Janeiro chegou a um nível inimaginável. Imagine você que uma bala perdida, fugida de um tiroteio de um morro próximo, atingiu o corpo de uma babá que estava sendo velado. A violência não está perdoando nem quem já se foi.

Como diria um bom amigo que não perde a oportunidade de fazer piada, nem que ela seja de gosto duvidoso, "isso sim é que é uma bala perdida".

terça-feira, 26 de julho de 2005

Polícia para quem precisa de polícia

A Polícia Federal anda trabalhando bastante... tanto que boa parte dos discursos nas plenárias políticas são falando de abuso da polícia, operações 'pra imprensa ver'. Engraçado, porque até bem pouco tempo atrás, os discursos falavam da polícia apática, sem ação.

Como diria um delegado paraibano indignado, "se a gente prende, reclamam, se não prende, reclamam também...", tá ruim.

E para fechar essa coluna policial, o negócio na Europa tá feio. No meio do verão e alta estação deles, qualquer um com uma mochila nas costas é suspeito. Certamente, o brasileiro morto pela polícia de Londres nem sabia que o suspeito de terrorista era ele quando correu.

quinta-feira, 21 de julho de 2005

Peixe fora d'água

Você já viu um peixe fora d'água? Ele fica se debatendo, pula para um lado e para o outro... essa é a imagem que me vem a mente ao ver as entrevistas que vem sendo publicadas e exibidas na imprensa paraibana nesta manhã de prisões.

Há quem diga que o presidente da república está envolvido na prisão do ex-prefeito e que ela foi motivada unicamente por questões políticas. Um dos "comunicadores" locais lembrou, garantindo, ainda que o governador é totalmente solidário ao preso e que está acompanhando cada nova notícia sobre o assunto.

Por falar em comunicadores, estranhamente quase todos os sites de notícia do estado saíram do ar por toda a manhã. Melhor para os que continuaram no ar, pois a visitação deve ter triplicado num dia tão animado como este.

Dentre os que defendem o investigado, estão um sobrinho e um "afilhado político" e na briga das informações, um site divulgou a prisão de um empresário irmão do ex-prefeito que, indignado ligou para uma rádio reclamando; "não fui preso, nem estou sendo procurado!" Para garantir, foi para a delegacia (o último lugar onde a polícia procuraria, convenhamos...).

Contas em xeque em JP

Nem a linha de defesa do estado conseguiu evitar a prisão do ex-prefeito da cidade oriental, a bela capital da Paraíba, João Pessoa. Essa é mais uma história que não se conta... A Polícia Federal parece ter ouvido atrás das portas ou pelo menos resolveu dar crédito ao que se comenta na praça.

Desde o primeiro mandato do bom Cícero que tem gente reclamando de obras caras demais, de empresas prima-irmãs de parentes do parente distante, e as vezes nem tão distantes assim. Interessante é que, quando deixou a prefeitura, muitas denúncias foram feitas pelo novo prefeito. No entanto, logo foi chamado para integrar o quadro de secretários do Governo do Estado.

Sendo parte integrande de um grupo tão unido e "honesto" (usei aspas porque é difícil usar essa palavra quando estamos falando de política, ainda mais nos últimos dias) Cícero se beneficiou de um escudo de proteção que circula o Centro Administrativo. Mas é estranho que uma pessoa acusada de fraude seja convidada a ser secretário de planejamento. Para mim, este pode ser um bom pretexto para investigar também as contas e licitações do Estado.

Parece que os novos policiais federais entraram com sede de justiça e furaram o tal escudo. Há quem diga que eles estão exagerando, usando de expediênte ilegal para conseguir provas, mas, por enquanto, para mim, eles têm feito o já devia ter sido feito.

sexta-feira, 15 de julho de 2005

Mensalão, um nome novo para uma coisa velha

Nos bastidores da política e do jornalismo de tudo é comentado. Todo mundo tem uma história para contar, mas ninguém tem provas em mãos. Essa história de senador e deputado receberem mesada já era tão normal que alguns ainda foram pegos de surpresa - O quê?!? Não pode?!? - é não pode. Mas isso não exime ninguém de culpa, afinal, tem gente que se elege prometendo ser diferente. Tá difícil...

Poucos meses antes de surgirem as denúncias de um ex-presidente nacional de partido, havia uma grande comoção na câmara dos vereadores da capital de uma cidade oriental do Brasil. Eles reclamavam na câmara, no rádios, na TV, nos jornais, enfim, botaram a boca no trombone... eles diziam estar sendo tratados a 'pão e água' pelo recém eleito prefeito da localidade. Esta turba se manifestou por algumas semanas e parou a pauta da casa várias vezes antes do prefeito se pronunciar.

Foi numa entrevista em que o âncora radialista perguntou puxando também para si a dúvida: até quando seriam os vereadores e os comunicadores tratados desta forma?. Ao que o homem respondeu que não entendia como a expressão à 'pão e água' cabia em tal situação. Pediu que lhe fosse detalhado ali como seria este tratamento. Ele ainda precisou fazer este pedido em um ou dois outros veículos de comunicação, mas como ninguém esclareceu o prefeito, o assunto morreu.

E para não achar que será o fim das tão comentadas, investigadas e execradas mesadas, ontem mesmo, na mesma cidade oriental, dois comunicadores e mais um diretor de agência publicitária (para não mudar demais a história) foram conversar com um secretário de estado muito educado e lhe pedir uma ajuda de um par de reais para cada um. Eles estavam precisando disso para manter certas bocas fechadas, as deles! "Secretário, o senhor arruma dois para mim e mais dois para cada um deles", disse o publicitário.

Como diria o meu avô, "lingüiça, lei e notícia, é melhor não saber como se faz."

quinta-feira, 14 de julho de 2005

Nó na Garganta

Engraçado como tem gente que procura uma vida onde possa se comunicar, se expressar e acaba caindo na armadilha do jornalismo, que nos ajuda, o repórter, a saber mais, mas nos cala mais do que nos faz falar.

De repente, todas as informações represadas começam a se tornar nós dentro da gente e para não virar "nós pelas costas" é preciso desatar o nó na garganta. Isso acontece quando não aguentamos mais engolir os sapos e as histórias que muita gente sabe mas ninguém conta. Chega uma hora que não desce mais e tudo volta, tudo é colocado pra fora.

Eu estou no momento do nó, no momento em que não há mais espaço para descer nada e o único caminho agora é a explosão de informações. As histórias quase nunca contadas seguidas por comentários nada imparciais.

Talvez não seja o melhor blog, talvez não seja o mais politicamente correto, mas certamente será verdadeiro e vigilante. Espero que gostem dele tanto quanto eu espero gostar de escrevê-lo.