Dia da não violência contra a mulher

Tenho um amigo, e ele vai me perdoar por contar sua história, que conseguiu se envolver numa briga porque quis defender uma mulher que iriaapanhar em público exatamente um dia antes do Dia Internacional de Combate a Violência contra a Mulher.

Um camarada pacato e, por vezes, até chamado de frouxo pelos amigos bricalhões. Não vou citar o nome, até porque não vai fazer diferença. Mas ele estava num bar quando presenciou a briga de um casal.

Por sorte da mulher e azar do meu amigo, no momento em que o marido levantou a mão para bater na esposa, o desavisado amigo passava ao lado da mesa do casal e, sem pensar, segurou a mão do agressor.

Os demais ocupantes da mesa do casal ainda reclamaram da intervensão do "intrometido", que se retirou pedindo desculpas pela intromissão.

O que ele não esperava era que o grupo todo, incluindo a moça que não apanhou, o esperariam do lado de fora do bar para tomar satisfações. Um bate boca teve início e, depois de alguns insultos, foi a moça, a esposa do covarde, que atingiu o "metido amigo" com um tapa.

Sem acreditar no que havia acontecido, o defensor das mulheres ficou sem ação e ainda ouviu: "pronto, você apanhou. E agora? Vai bater em mim?", da moça que havia deixado de apanhar por causa dele.

Voltando a si, ele devolveu em palavras as agressões: "Não se preocupe, não sou seu marido, não bato em mulheres. Não sou covarde". Por conta disso os homens do grupo resolveram ingressar na briga que passou a violência física.

Grande que é, não se machucou e deve ter deixado uma boa lição em seus agressores. Mas manteve sua palavra. Apesar de ter sido a primeira a agredir fisicamente, a esposa do covarde foi a única que não apanhou na frente do bar. Situação que deve ter mudado depois que chegou em casa.

Moral da história: Se você vir algum covarde querendo bater na esposa, impeça, mas não espere que ela vá te agradecer.

Comentários

O amigo! disse…
Eu te perdoo!!! :)
Eu sou minha disse…
Realmente, algumas mulheres me matam de vergonha....
Nunca que submissão significou amor
RLCA disse…
O caso é curioso, mas não, modelar. Sei que não foi o objetivo do texto, mas, para evitar malentendidos, a conclusão do episódio não é necessariamente que, diante de uma situação semelhante, não se deva tentar evitar. Seu amigo certamente não agiu esperando gratidão. Sugiro fazer o que é certo, mesmo nas ocasiões em que o mundo parece ensandecido, como foi o caso.